sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Programa ultra cultural... quem curte?

Mês passado uma amiga me chamou para um evento de um amigo gringo dela. O cara e o grupo dele iam fazer uma performance numa apresentação do festival Art Cena que tava rolando aqui no Rio. Não sabíamos ao certo do que se tratava e espertinhas jogamos no google santo oráculo pra ver se descobríamos algo. Pouca coisa apareceu, nada referente ao espetáculo em si. Não lembro bem como, mas sei que de alguma forma vimos que poderia rolar nu artístico na performance. Ok. Beleza. Não temos a vibe virginal e, né, nossa idade também indica maturidade para lidar com isso. Fomos. Lá chegando o gringo amigo da minha amiga pediu que ela filmasse tudo com a câmera dele, mas ela nada entendida dessas coisas me repassou esta tarefa porque eu sou camerawoman desde pequenininha cof cof. Abriram-se as portas da sala onde rolou a performance e... GENTE. De cara tinha uma tchéca na minha cara! Uma gringa sentada de perna aberta, nua em pêlo literalmente, fazendo a Claudia Ohana, gemendo e sussurrando coisas indecifráveis num microfone. Ok. Passamos por ela. Na verdade seguimos o fluxo, em que fluxo = mais ou menos umas 20 pessoas. Aí na sala uns objetos nada a ver com coisa nenhuma espalhados pelo chão. A sala bem escura e DO NADA umas vinhetas de terror ecoavam no ambiente em alto e bom som. A porta se fechou. E aí, meus amigos, aí minha amiga tava num clima to-me-cagando, num pavor que ela relatava sussurrando. E eu com uma vontade de rir filmando a porra toda. E as 20 e poucas pessoas fazendo altas caras de mega intelectuais (tipo, "to entendendo tudo e você aí loirinha com esse risinho no canto da boca e você moreninha com essa cara de medo são umas babacas", saca?). Daí ainda tinha o gringo e mais um outro nuzinhos também fazendo cada um suas perfomances.

PAUSA: "suas performances" incluem um colar um celular no peito com fita crepe e se lambuzar de protetor solar, depois espalhar talco no chão e fazer desenhos aleatórios com uma pazinha; o outro numa cadeira fazendo poses mega surrealistas e até contra as leis da física (tanto que uma hora ele CAIU!!!!!!!); e ambos sentarem um de frente pro outro e se depilarem mutuamente com gilete!!!!!!!!! FIM DA PAUSA.

E olha, além de me controlar MUITO pra não rir por conta dos relatos de medo da minha amiga, eu ainda tinha que me concentrar na filmagem, mas só estava concentrada mesmo nos dois gringos nus pagando de Toni Ramos nas genitálias, inclusive no koo (Pára tudo! Minha gente, eu não saí de casa em meio a uma garoa pra ver koo-cabeludo, não é mesmo?! Vamos depilar isso aêe!!!) e no fato de que eu achei que ou os dois estavam com frio ou...

Daí que na verdade o que menos chocava era o nudismo em si, mas o conjunto da obra. E o que mais me chocava (além dos koos-não-depilados + a miserinha dupla de piru) era o fato de as 20 e poucas pessoa estarem com cara de que estavam super entendendo tudo. Aham, Claudia, senta lá. Estavam é bancando os cult-bacaninhas-zona-sul. Porque oh, não é que eu esteja duvidando do nível de conhecimento da galera e não é que eu seja desprovida de intelectualidade ou maturidade, mas mesmo depois de o gringo ter me explicado do que se tratava e mesmo assim eu não ter entendido NADA... qué dizê.
Quando ele veio me perguntar o que eu tinha achado, eu disse: "Achei conceitual". Porque eu sou burra, mas não sou besta. Usei a resposta que 9 entre 10 pessoas usam para relatar aquilo que não captaram muito bem a mensagem. Mas não me conformei e fui pedir explicações mais profundas. Como se isso fosse adiantar alguma coisa nesse caso.

Aí essa minha amiga me chamou pra sábado ir a outra performance do amigo gringo. E dessa vez não vai rolar nem Claudia Ohana, nem koos-cabeludos, nem miserinha dupla de neca, porque será na praia de Copacabana. A menos que eles queiram ser super transgressores e ignorem o que seja atentado ao pudor. Imagine os gringos falando pros PMs-RJ: "mas isso é arte! isso é cultura!". Mas nem. Parace que será uma coisa de cavar buracos na areia e entrar neles das 20h às 8h, com a participação do público. Que?????????????? Não faça pergunta difícil nos comentários como "por que?", "pra que?", "isso significará o que?", "qual é o conceito da coisa", ok?!
Só sei que, quando ela me chamou, eu só consegui dizer duas coisas:
1) Olha, sem querer diminuir ninguém, mas eu não estudei tanto na minha vida pra agora ser submetida a trabalho-braçal-escravo!
2) Tenho uma pergunta. A trilha sonora será:
"Vai me enterrar na areia? Não, não, vou atolar"???

nossa idade também indica maturidade para lidar com isso

FIM.

5 comentários:

Ivy disse...

#eurialtomuitoalto
caraca,voltou c força total hein...
deixa ei respirar q ta dando n kkkkkkkkkkkkkkk
vc é a melhor, 'achei conceitual', só faltou mandar o 'instigante' kkkkkkkkkkkk
a pergunta é: -vc conseguiu não rir, putz eu iria me esborrachar e o video ia ficar uma merda ... o q seria perfeitamente condizente com o 'espetáculo' né não!!!

M. disse...

Estou MORRENDO de rir!!!!!!!!!
O que foi o Chico total explicando o conceito dos moços???????
rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs
Amiga, adoro!

***GrAzI disse...

rsrsrs... muitas risadas! Nem vou comentar mais nada... só que koo cabeludo ninguém merece! ;)
Beijos!

Natalia disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!

Luana disse...

Pelamooor!

Minha irma fez moda na USP e dai ela foi a um desses eventos mega-blaster... A coisa toda era uma mulher que COSTURAVA (agulha e linha) um botao nos mamilos... No lugar de mamilo a tia acabou com um botao por cima...

Eu teria saído correndo... Nesse caso não de vontade de rir, mas de aflição...